“NOVOS RUMOS DA POLÍCIA JUDICIÁRIA”
 
 
 
  Sindpesp realiza I Simpósio sobre os novos rumos da Polícia Judiciária de São Paulo
   
 

Mais de 15 palestrantes estiveram presentes e falaram sobre temas importantes para o futuro da Polícia Judiciária

Um dos assuntos que mais causam intranquilidade na população paulista é a segurança pública. Para o Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp), essa preocupação se soma ao descaso do Governo para com a categoria, que enfrenta há anos indiferença nas questões salariais, estruturais e de recursos humanos.

Pela primeira vez em sua história, o Sindpesp realizou na manhã desta quinta-feira (18) um simpósio com o tema: Novos rumos da Polícia Judiciária. O evento, que aconteceu no auditório Paulo Kobayashi, na Assembleia Legislativa de São Paulo, contou com cerca de 200 delegados e trouxe uma mesa de debates repletas de delegados e outros representantes da esfera judicial.

Após o cadastramento, a abertura ficou por conta do Delegado Geral de Polícia Civil do Estado de São Paulo, Youssef Abou Chain. Há quase 30 anos em serviço, Youssef agradeceu a oportunidade de participar do evento e falou da importância do trabalho da polícia judiciária no país. “Estamos em um país com muita turbulência. As notícias, principalmente nesses últimos tempos, colocam como protagonista a polícia. Então, temos que continuar nosso trabalho melhorando a sociedade sempre. Que desta reunião saiam ideias que sejam encaminhadas à Delegacia Geral de Polícia para que possamos colocar em discussão no Conselho a fim de que sejam viabilizadas. Vamos implantar aquilo que seja bom para a Polícia e a sociedade”, ressaltou.

Finalizando a abertura, o Sindicato homenageou o ex-delegado geral da PC, Abrahão José Kfouri Filho. Ao longo de sua trajetória, ele recebeu cinco promoções por merecimento e, atualmente, dedica-se ao exercício da advocacia com especialização em Direito Administrativo, em especial, na defesa de direitos de servidores públicos.

Confira abaixo um resumo das mesas do período da manhã:

   
  Sucateamento da Polícia Judiciária e os rumos a seguir
A presidente do Sindpesp, Raquel Kobashi Gallinati, e o presidente da Federação Nacional dos Delegados de Polícia Civil (Fendepol), Rodolfo Lazerta, deram início à mesa de debates com o assunto que tem regido o discurso da atual gestão do SINDPESP, o sucateamento. Foi citado também o cenário e o posicionamento da Polícia sobre a Reforma da Previdência.
   
  Hoje, os delegados ocupam posições estratégicas mas o cenário exige mudanças. Assim como cada delegado tem suas garantias asseguradas, temos que ter garantias para os dirigentes máximos, delegado geral, para cada um cumprir o seu dever. A falta de estrutura e o descaso tem contribuído para que o desempenho da instituição seja impactado. A Polícia Civil poderia fazer muito mais pela sociedade, e algo pode ser feito, nós acreditamos nisso. O futuro depende de nós, das decisões que tomaremos a partir de agora. Mesmo com a falta de estrutura que sofremos hoje, ainda assim atrás de cada mesa há um Delegado de Polícia que atende, investiga, indicia os criminosos, sejam ricos ou pobres. Reitero a necessidade de todos aproveitaram o dia de hoje, vamos resgatar a dignidade da polícia judiciária.
   
   
 

A sociedade depende de nós. Não podemos menosprezar nossos policiais. Um grande passivo que tivemos foi nos afastarmos de todos e querermos ser delegados ao mesmo tempo. Estamos com uma grande crise de identidade. Façamos uma autocrítica nesse Simpósio, tenhamos orgulho do que somos.

 

   
  //////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
   
  Autonomia institucional
No segundo tema tratado no Simpósio, o Desembargador aposentado do TJSP e ex Dep. Federal Régis Fernandes e o ex-delegado de Polícia do Estado de São Paulo, Dr. Abrahão José Kfouri Filho debateram sobre a falta de independência da Polícia.
   
 

A Polícia Civil não pode se dobrar a esta situação. É hora de agir. A sociedade está deteriorada, a classe política apodrecida. Os delegados têm que ter as mesmas garantias dos juízes, precisamos pressionar o Governo para que isso seja assegurado. Garantia funcional e institucional sem eleição direta para delegado geral não existe.

   
   
 

A Polícia Civil é subordinada ao governo mas é uma polícia de Estado. Acho importante que seja relativizada essa subordinação. Somos agentes políticos e a autonomia deve ser funcional e administrativa para que seja plena. É preciso romper essa limitação. A ideia de hierarquia está errada, queremos nova PEC que contemple a liberdade funcional.

 

   
  //////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
   
  Nova Lei Orgânica
Para falar sobre a Nova Lei Orgânica que visa integrar a polícia para obter bons resultados perante a sociedade, os Delegados de Polícia do Estado de São Paulo, Carlos Afonso Gonçalves da Silva e Rodolfo Decarli, pontuaram alguns itens que podem ser colocados em prática para otimizar as atividades dos delegados.
   
 

Que polícia eu sou? Missão. Que polícia eu quero ser? É a visão. Não tem como falar que ela é boa ou ruim se não for pesquisada. O que faz a polícia de sociedade, de estado, aquela que está no dia a dia com a população. Primeiro e não menos importante, atendimento imediato ao cidadão. Uma pessoa que entra na delegacia, precisa ser atendida ali. Na lei atual, é um problema de gestão local, mas quando uma lei orgânica é colocada em questão, a gestão facilita e melhora. Se não existe uma boa conversa entre a Polícia Civil, Polícia Militar, um bom Ministério Público e Guarda Municipal, o produto entregue ao cidadão será ruim. Precisamos nos integrar, precisamos ter uma política integrada. O momento de fazer uma lei orgânica é de sonhar… O simpósio vai render frutos, mas a única forma disso funcionar é se forma colaborativa.

 

   
  //////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
   
  Modelo de segurança pública: Qual queremos defender?
A primeira mesa de discussão trouxe em pauta o protagonismo da Polícia Judiciária e a oposição ao termo circunstanciado pela Polícia Militar. A desembargadora do TJSP, Ivana David e o presidente da Comissão de Segurança Pública da OAB-SP, Arles Gonçalves Júnior, debateram seus pontos de vista sobre qual protótipo de segurança pública o Estado deve seguir.
Em contrapartida, a segunda mesa debateu se a unificação e desmilitarização da Polícia em São Paulo seria novo modelo efetivo de proteção à sociedade.
   
  Temos que ficar atentos, é uma forma de ação e reação da polícia [militar] buscando espaço. Pela Constituição, só existem duas autoridades: Policial e Judiciária. A grande força da polícia do interior e do DECAP é a de estar próximo da sua sociedade, esse é o desafio. Por isso que a Polícia Civil depende de policiais que gostam de ouvir, investigar, xeretar, é o melhor exercício que temos. Quanto mais eu ouço, mais chance de acertar eu tenho. A PM é militarizada, ela é fruto da ditadura. A impressão que eu tenho é que eles gostam de ser assim, sentem orgulho da hierarquização, como se a sociedade também tivesse essa leitura.
   
   
  A Polícia Judiciária fiscaliza o trabalho da Polícia Militar. Por isso, a gente se pergunta: qual o grande problema de fazer com que a PM faça um ciclo completo? Eles não têm nada comparado ao que tem a Polícia Civil. Desde quando o aluno entra na instituição até a academia, a prática de investigação, o respeito à lei, o seu cumprimento… A PM é treinada para o enfrentamento, a diferença vai no tirocínio.
   
   
  Pessoas que são treinadas para serem militares não conseguem pensar. Polícia tem que ser profissional e ser profissional perante os cidadãos é não incentivar a violência. E isso que a PM Faz… Não dá pra matar à toa como se mata no Brasil. Mesmo com todos os problemas que a Polícia Civil tem, ela fez uma transição para o modelo democrático. Na minha opinião, a unificação da polícia é incontrolável. Por mais que pareça uma coisa que faria sentido, economicamente, não sei se isso é viável.
   


 
 
 
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////